Jason Todd - O Menino Problema

Desde o inicio dos tempos sabemos o significado da expressão : A ovelha negra da família. E apesar de ser muito bem preparado pra tudo, até o Batman já sofreu com esse problema. Ou talvez ainda sofra.
   A blessing in disguise é uma expressão americana que, em sua versão brasileira, é um pouco mais objetiva e corrida. Você, caro leitor DCnauta que me acompanha desde o início dos tempos, deve estar se perguntando o que essa falácia toda tem a ver com Batman ou com o próprio Jason Todd. Eu te peço pra ter um pouco mais de calma, já vou chegar lá, porém quero um melhor embasamento.   
   Pois bem, numa noite fria (se tratando de Gotham ou da cracolandia) o combatente do crime que se veste de morcego e usa colante cinza descobre que um jovem rapaz, de aparência descolada, estava roubando os pneus do Batmóvel. Sem pensar duas vezes, ele convida o jovem rapaz para ser seu parceiro. Este que também faz bico de mecânico (vai dizer que não serviria pra uma emergência) aceita imediatamente o trabalho.

Bom, talvez em um gibi nos anos quarenta, mas depois de toda a repressão gerada pelo Comic Code Authority ou algo parecido, era hora de ir além.

Vamos pular o texto chato, o Batman tenta impedir o garoto de roubar o último pneu do Batmóvel (que na época era um esportivo digno da Lamborghini Gallardo). O garoto que não era bobo nem nada revida e de acordo com o próprio, dura 3 segundos de luta. Pra tudo ficar mais fácil de ler, clicando aqui e aqui, você tem duas origens pro garoto com nome de achocolatado. A segunda é dividida em duas partes, pra baixa-la clique aqui.   
  

Vamos direto para a parte mais legal da vida do Jason. Sua morte. Tá, tá, tá eu sei que ele sofreu. Mas se eu não zoar o sofrimento dele não estarei sendo eu. 
   Imagine você, um bilionário caridoso com tendências detetivescas e amor por morcegos, adotar uma criança, coloca-la em seu mundo e deixá-la morrer uns 8 meses depois. Puta garoto incompetente né ?! Pois é. 
    Eu tenho um pouco de dó do Jason por que ele sempre foi o mais fudido dos três (o filho de laboratório não conta). Tipo, o Dick perdeu os pais e o Bruce o adotou logo em seguida. O Tim só precisou ser adotado anos e anos depois quando o pai dele partiu para o plano dos pais e tios mortos. O Jason não, o cara teve um pai drogado e uma mãe drogada. Nunca teve um exemplo que não fosse o Bruce e sua vontade escondida de ter outro passarinho do lado. Nasceu ladrão e morreu soldado. Não negue que daria uma lapide foda. 
    Além de todos os problemas do rapaz, ele ainda era teimoso, agressivo e malcriado com o Alfred. Cara, se você é sem educação com o Alfred, merece uma boa surra de pé de cabra.   
    Falando no diabo, não é que o menino Jason, passarinho número 2, morreria sendo espancado com um ?!? Pois é, o Coringa é criativo. Vida curta, pouca roupa e muita audácia. Acho que resumi bem os 8 meses de Robin que o Todd deve ter tido. Nove, oito, bah tanto faz. 
   O problema com o Jason começa quando o nosso odiado Superboy Prime resolve socar a realidade. Sabe, todo mundo faz isso um dia. Ele socou, o negocio quebrou e tã dã, lá estava Jason Todd ganhando cores e vida de novo. Sim, cores, porque de alguma forma os hematomas gerados pelo pé de cabra voltaram, olha só :


E qual o jeito de homenagear o seu vilão favorito, que mata você, sua mãe e ainda ri, senão usando um antigo nome dele ?. Já dizia o Vegeta : O miserável é um gênio.  
   A partir daí a mente do Jason entra em um trem que só desce e tá sem freio. Ele já foi o Capuz Vermelho (em duas versões diferentes) o Batman e o Asa Noturna, sendo que nas 3 ele tomou uma surra do prodígio original, sr. Richard John Grayson.


 
  Pra ser sincero, acho que nunca souberam trabalhar a mente dele direito. O Morrison fez um puta trabalho com o que restou das convicções do rapaz, mas mesmo assim, nunca souberam definir se o rapaz é ruim ou se ele é um vilão da sessão da tarde. Você sabe, daqueles que se arrepende e pede desculpas no final. E é por isso meus amigos, que este diabo ruim não deveria ter voltado.
   Pense bem, ele já tinha tendências assassinas antes de morrer. Tenho certeza que ele matou aquele playboy em O Filho do Diplomata. Mas depois que voltou, o passarinho com a cabeça fraca, ficou completamente fora de sí. 
   Eu não entendo a necessidade do Todd em mostrar para o Bruce que morreu e que o pé de cabra não é sinônimo de maciez. Caralho cara, a gente sabe que você é retardado. Não precisa reforçar. 
   Por outro lado, o que diabos o Bruce tem na cabeça pra deixar um decapitador de cabeças e inimigo do vilão mais gay da história (O Flamingo, puta que pariu Morrison) entrar de novo na bat-família ? Porra Bruce !
   Lembra de A blessing in disguise ? Aqui conhecemos como "Há males que vem para o bem". Em uma adaptação para essa história seria "A morte do Jason veio para o bem". Sim, por que se certa forma, o Bruce passou a se preocupar mais com os soldados que ele enfia nessa cruzada dele. O Tim (conhecido como o melhor Robin) só apareceu porque o Batman estava ficando maluco. Por que ? Porque tava sem passarinho. 
   Vocês me entendem ? O Jason não é um Bucky Barnes da vida, ele é ruim por que quer. Ou pelo menos era. Se tivesse ficado como tava, ainda existiria aquela figura sacrossanta que se tinha em cima do Robin morto. Porra, o Tim já chegou a dizer que o Jason foi um puta Robin por que morreu em batalha. Dando o sangue pelo manto e tal. 
   Não Drake, ele morreu por que era burro pra caralho. O que ele tinha na cabeça pra sair sozinho pro Oriente médio com aquela cueca verde e os sapatos de duende ? Porra, ou é ser muito otário ou é ser muito otário. 
   No final, a culpa da morte do Jason é única e exclusivamente dele próprio. Bruce só tentou ajudar um garoto perdido e o Coringa só fez o que todo mundo faz quando vê uma piñata pela frente. Uma pequena dica deste que vos escreve : Se você tem 14 anos, não sai pelo oriente médio de cueca atrás da sua mãe e com o Coringa á solta, Tá ?! 


Apesar de tudo isso que o rapaz já foi, em algumas situações ele até foi engraçado. Tipo quando escreveu "Jason Todd esteve aqui" no cemitério. Ou quando fazia piadas matando os distribuidores dos homens do Máscara Negra. 

  Finalmente nos Novos 52 o personagem ganhou um ar um pouco diferente, porém sendo equivalente em outros aspectos. Como por exemplo o fato dele não ter tanto ressentimento com a Bat-família e o Bruce. Em uma edição de Capuz Vermelho e os fora-da-lei (provavelmente uma das primeiras) o grupo composto por Jason, Roy e Kori (Estelar) vai atrás de um moleque meio Deus que fode com a cabeça das pessoas. 
   Esse carinha, além de parecer o Vigia da Marvel, tem a mania de roubar memórias das pessoas. Sejam elas boas, ou não. O Jason então se lembra de um dia em que o Bruce o proibiu de patrulhar por estar no meio de uma gripe fudida. Puto ele ficou, mas acatou a ordem do mestre. 
  A surpresa fica por conta do próprio Bruce, que deixou de sair para assistir TV com o garoto. Que acabou dormindo em seu ombro. Cena bem legal, pra ser sincero. 



  O Todd simplesmente doa essa memória ao cabeça de caralho. Tipo "Quero mais não viado, pó pegar".
  O Jason de antes era um cara perturbado de verdade - alá Marcelo Hessel - pois tinha umas transcendências meio anormais. O Jason de hoje é a versão do personagem que não voltou perturbada do poço de Lázaro. O cara tá mais zen que as moças dos CD's de meditação. 
  Pra fechar, eu diria que o personagem ainda não demonstrou muita coisa pra eu gostar dele. Ele parece ter potencial pra vilão e gosto do conceito dele representar a maior falha do Wayne. Mas nos quadrinhos acredito que a DC não vá levar tudo pra esse caminho . Então, só nos resta esperar pra ver qual o futuro do personagem mais problemático da Bat-Família.





Share this

Related Posts

Previous
Next Post »