Liga da Justiça Sombria é um deleite para os fãs!. - Crítica


Finalmente! A espera acabou, a primeira adaptação em animação da Liga da Justiça Sombria esta entre nós. 

O filme começa com os dois pés na porta. Logo nos primeiros segundos ja vemos o terror característico que o filme tem a nos apresentar em sua narrativa. A liga da justiça se relaciona diretamente com ataques bizarros que vem acontecendo, e o que chama a atenção é que os relacinados são todos pessoas comuns e que se viam convictas de terem visto monstros a sua volta.
Daí nós temos diversas boas cenas, em destaque para a primeira aparição do Batman, que é uma das mais dramaticas e pesadas do filme, aproveitando bem a sua classificação Rated R.

Com a liga da justiça intrigada com os acontecimentos, Batman se destaca com ceticismo, apontando que as pessoas apenas eram ruins de natureza e não estavam sendo manipuladas.  
Aqui nós temos o primeiro fanservice. Nós podemos ver que a formação da liga está diferente dos filmes anteriores, contando com 3 personagens novos. O Caçador de Marte, Lanterna John Stewart e Falcão Negro. Claramente uma referencia a animação tão querida dos fãs, a Liga da Justiça de Bruce Timm. Mas não empolga mais do que isso mesmo, os personagens não tem falas (apenas o John), e não tem nem mesmo um desenvolvimento posterior.
Partindo do princípio de que a Liga não tinha noção de como impedir novos ataques, o Desafiador tem sua primeira aparição "discreta", avisando Bruce para encontrar Constantine.

Agora com todo o pontapé dado, o filme começa sua trama principal. Temos no time, Constantine, Desafiador, Etrigan/Jason Blood, Zatanna e o Batman, que no fim só está lá pra vender mesmo, já que o seu ceticismo é ignorado continuamente e constantemente desaparece em batalha. 
Se você esperava conhecer mais desses personagens, esqueça isso, esse é o primeiro erro do filme. Temos que lembrar que toda produção é uma fonte de conteúdo para os fãs e para os que almejam se tornar. O filme não está trabalhando com a origem do Batman ou de outros grandes heróis que ja tivemos inumeras produções cinematograficas, e sim com personagens que só apareceram em algumas animações ou tiveram filmes bem distantes das obras reais. Não estou falando de Constantine, que teve um filme e uma série, mas sim de Zatanna, Monstro do Pântano e até dos vilões.
Uma prova de como isso seria bom esta no proprio filme. Nós temos duas origens explicadas, do Desafiador e do Jason Blood com o Etrigan, e isso colaborou muito com alguns acontecimentos posteriores, dando sentimento a eles, e gerando empatia com os personagens.

Falando de Etrigan e Jason Blood ,com certeza o ponto alto dessa animação foi essa dupla, discretamente eles são muito bem desenvolvidos ao longo do filme, e tem um desfecho forte, natural e condizente com os acontecimentos. Nós conhecemos Jason Blood logo na primeira aparição de Constantine, mesmo assim ninguém acreditou muito que seu desenvolvimento seria tão bom. Sua origem é explicada e muito bem alias, tendo envolvimento direto com os acontecimentos posteriores, e ETRIGAN é o badass que a DC precisava em suas animações. Sem temor algum e com uma força avassaladora, ele derrota ou com certeza pelo menos da trabalho a seus inimigos.
O fim é bem triste, porém é natural, foi construido durante o filme todo, quase inperceptivel, e mesmo assim é de emocionar.

Se por um lado a melhor coisa do filme foi um personagem, do outro, a pior coisa do filme também foi. Monstro do pantano foi vendido como parte da equipe principal, e não chegou nem a ter mais do que 5 falas. Não há desenvolvimento algum do personagem, e suas relações com os outros da equipe é apenas comentada, deixando ao publico novamente, ter conhecimento do backround do personagem para assisti-lo em cena. Se não bastasse o personagem não ter identidade, no final do filme vemos que ele não tem importancia para os proprios personagens! Na batalha final, o Monstro se une a equipe pelo bem maior, porém, logo após sua aparição, ele é esquecido em batalha. 
O intuito do encerramento de sua participação na batalha, era criar pontas para um futuro filme e emocionar. E isso daria certo, se o personagem tivesse sido desenvolvido e se o corpo dele não tivesse caído de metros no chão e ninguém ter feito nada! TOTALMENTE IGNORADO.

Aqui um dos pontos altos do filme, o vilão. Apesar de não ter tido um plano tão louvavel, é de se admirar que Ritchie Simpson tenha conquistado nossa confiança, e depois tenha pisado nela e nem termos percebido. Mas ele não é o vilão real e isso não é um problema (mesmo sendo a segunda vez no mesmo filme em que nos enganamos quanto ao vilão), seu objetivo foi claro e bem desenvolvido, mas deu lugar a um vilão com poderes reais de destruição.
A batalha final é o puro bluckbuster, repleta de ação e magia para todo lado, a humanidade enlouquecida e manipulada, e se isso não desse trabalho suficiente, nós temos a liga da justiça (ou parte dela), fora de controle. A divisão de tarefas em equipe é muito bem feita ao mesmo tempo em que o Constantine forma um plano para derrotar o vilão. Esse é o momento do Batman brilhar, roubando mais uma vez no mesmo universo o anel de um Lanterna (alguém cole esses aneis), e Zatanna parando o Superman em toda sua fúria. Realmente incrível.

Liga da Justiça Sombria não é tudo que podia ser, mas é mais do que queríamos. É um filme pra quem já acompanha as hqs atuais do grupo, mas ainda assim é uma amostra do potencial da equipe. Empolgou, temos garantido um filme da Liga no DCEU que já tem roteiro escrito por ninguém menos que Guilherme Del Toro, e a animação veio pra mostrar que esse filme tem tudo pra ser um dos melhores de heróis e que a magia é encantadora.

Nota: 8/10 
A crítica é escrita por um único autor e não reflete a opinião de todo o site.




Não se acanhem com críticas, vão ver o filme e tirem suas próprias conclusões. Se você já conhece os personagens, vai gostar muito. Se você ainda não os conhece e pretendia com esse filme, lhe aconselho a ler as hqs após assisti-lo.

Share this

Related Posts

Previous
Next Post »